"Conviver - uma necessidade humana - pode representar um grande desafio para as pessoas, os grupos, as comunidades.
Nem sempre é uma tarefa simples, mas como seria nosso mundo sem as pessoas?
Na realidade, mundo e pessoas tornaram-se sinônimos no nosso dia-a-dia.
Portanto, é necessário estruturar formas de convivência que, respeitando a individualidade, façam do mundo uma comunidade conduzida pela harmonia.
Não podemos esquecer que as semelhanças apontam justamente para as diferenças entre as pessoas.
A nossa semelhança com as pessoas está no fato de sermos diferentes.
Entretanto, ao longo do processo de desenvolvimento, a convivência pede mudanças para que pessoas e ambiente se tornem adequados.
Conviver com as mudanças no outro faz parte da vida em comunidade para preservar a coesão do grupo.
Para isso, será necessário agirmos com humildade, respeito e paciência.
Paciência não é tolerância: a tolerância é quase ofensiva; a paciência é amorosa.
Conviver e cuidar se assemelham.
Por essa razão, conviver e acolher andam de mãos dadas.
O acolhimento que se dá ao recém-nascido é o mesmo que deveria marcar as relações entre as pessoas
em qualquer idade e em qualquer tempo".

 


Postado por: Luiz Schettini Filho Do livro em 19-08-2014